As belezas e a história da Armênia por Beto Conte

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Beto Conte, do STB Trip & Travel, que ja percorreu 132 países nos 5 continentes, apresenta sua recente viagem a Armênia

Um pequeno e belo pais do Cáucaso com uma superfície de apenas 30 mil km², que faz divisa com a Geórgia ao norte e com o Iran ao sul. As fronteiras com a Turquia e o Azerbaijão estão isoladas em função de desavenças com ambos. Atualmente, na Republica da Armênia vivem cerca de 3 milhões de habitantes e outros 8 milhões de armênios em comunidades da diáspora pelo mundo. Um povo que tem sua religião, língua e escrita própria e uma longa historia.

O povo armênio vivia há 3 mil anos em torno do monte Ararat, na Anatólia, no reino de Urartu conquistado pelos Assírios. A Armênia reaparece no séc. VI como uma importante “satrapia”, um reino independente subordinado ao império Persa. Alexandre, o Grande, conquista o império persa e deixa como legado um estado Armênio helenístico que dura dois séculos. Nesta dinastia, conhecida como Artaxiad, destaca-se o rei Tigrane II, que aliando-se com os Romanos, leva a o reino Armenio a sua maior expansão histórica: 450 mil km² se estendendo do Mar Mediterrâneo ao Mar Cáspio.

A Armênia, que foi o primeiro reino a adotar o cristianismo em 301, rompe por questões dogmáticas com a igreja em 451 mantendo-se independente ate hoje como Igreja Armênia Apostólica Gregoriana.

O território do povo Armênio acaba, ao longo da historia, sendo dividido entre os impérios Bizantino e Persa (séc. V), conquistado pelos árabes (séc. VII a X), seljudicos (séc. XI),  mongóis (séc. XIII), timuriades (séc. XIV) e finalmente dividido, novamente, entre Otomanos e Persas (séc. XV ao séc. XVIII).

No inicio do séc. XIX é a vez dos Russos conquistarem, dos Persas e Turcos, a região do Cáucaso – permanecendo o povo Armênio ainda separado entre terras Czaristas e Otomanas. No final do séc. XIX os Turcos perdem a península Balcânica – região cristã do império Otomano – e reprimem violentamente o movimento nacionalista armênio no coração da Anatólia. Com a 1a Grande Guerra o povo Armênio se encontra dividido entre forcas inimigas – de um lado na Anatólia Otomana, e de outro no Caucasso Czarista.

Os Turcos alegando que os Armênios apoiariam os russos cristãos promove uma 2a onda de perseguisao com alistamento forcado dos homens, evacuação dos povoados e deportação forcada que culminam no genocídio Armênio de 1915 onde estima-se que pereceram 1,5 milhões de armênios. Os sobreviventes emigram para diferentes partes do mundo onde seus descendentes constituem a diáspora armênia atual.

Com o final da guerra e desmembramento tanto do império Czarista como do Otomano, a região Armênia Russa aproveita a oportunidade de declarar a sua independência. A breve republica acaba sendo incorporada a União Soviética que define o seu destino por 7 décadas. No final do período socialista o pais ainda sofre do terremoto de 1988 que atinge o noroeste do pais. Com o desmembramento da União Soviética a Armênia retoma sua independência em 1991 e reaviva a sua religião – parte fundamental da sua identidade nacional.

Câmbio
A moeda da Armênia é o Dram Arménio. A dica é sair do Brasil com Euros, e ao chegar ao país trocar por moedas locais. Faça a compra de Euros com o Supercâmbio, é rápido, prático e seguro, e você ainda escolhe se prefere buscar o dinheiro na Casa de Câmbio de sua preferência ou receber em casa através da opção delivery.

Acompanhe todo o relato do Beto pelo Caucaso no www.betonomundo.wordpress.com

Participe dos próximos Grand Tours que o Beto acompanha pelo mundo – no carnaval pela Patagonia, na primavera Europeia em cruzeiro pelo Douro e em setembro pela Romenia. Confira no http://www.stbrs.com/grands-tours/ ou tecle com betoconte@stb.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami